Categoria Redes Sociais

O barbeiro, a navalha e as redes sociais

Por Priscila Soares Falchi

Redes Sociais Barbeiro

Redes Sociais Barbeiro

No tempo dos nossos avós os homens costumavam ir até às barbearias para fazer a barba.
O processo consistia basicamente em sentar-se numa cadeira em frente a um espelho, enquanto um completo desconhecido passava uma navalha afiada sobre o seu rosto.

O homem ficava ali, sentado, impotente diante daquele desconhecido com poder de deixá-lo mais bonito ou desfigurado, dependendo do manuseio da lâmina.

Se fizermos uma analogia entre a navalha e as redes sociais, podemos dizer que a situação é bem semelhante.

O mercado é como o barbeiro que tem a ferramenta nas mãos para fortalecer ou arranhar a imagem de uma empresa.

No passado um cliente insatisfeito comentava a sua insatisfação com cerca de doze pessoas do seu meio de relacionamento, hoje um cliente insatisfeito comenta com centenas ou ate milhares de internautas, dependendo da sua popularidade na rede.

Por mais que uma empresa não queira participar de redes sociais ou ache que não condiz com o seu perfil, não é possível ficar alheia ao que acontece no mundo digital.

A empresa pode não estar lá, mas com certeza seus clientes e concorrentes estão.

O mundo corporativo nas redes sociais

Por Priscila Soares Falchi

Redes sociais mundo digital

Redes sociais

As redes sociais surgiram para mudar a maneira como as pessoas se comunicam.
Esta mudança afetou diretamente as empresas quanto à forma como se relacionam com o seu público. O marketing digital assume cada vez mais relevância tanto no B2C quanto no B2B incorporando ações junto às redes sociais.
Entretanto, é comum vermos empresas desejarem atuar junto às redes sociais sem antes terem traçado objetivos e metas claras.
Os objetivos variam de acordo com o perfil e cultura do segmento, e podem estar relacionados com a busca por melhorar a comunicação com o mercado, geração de leads, aumento nas vendas ou base de clientes, ampliação do relacionamento com o público alvo, entre outros. Definir os resultados que pretende alcançar e onde se quer chegar é tão importante quanto entender o comportamento do seu público, que linguagem adota e quais redes sociais são mais utilizadas por ele. Esse mapeamento pode ser feito por pesquisa qualitativa ou quantitativa junto aos usuários, análise de mercado e da concorrência.
Uma vez definidas as metas e o levantamento de quem é o seu público, onde ele está e o que deseja é hora de avaliar os recursos e requisitos necessários para construir uma boa estratégia. Primeiramente a empresa precisa ter consciência de que as redes sociais não são canais unilaterais de comunicação e sim geram a oportunidade criar relacionamento e interação. Isso significa disponibilizar recursos humanos comprometidos com foco no projeto, com disponibilidade de tempo para inserir conteúdos novos com frequência e manter contato direto e imediato com os usuários.
O contato com o público significa receber tanto elogios, quanto críticas por pessoas eventualmente insatisfeitas com o seu produto ou serviço postando reclamações ou comentários negativos, portanto, é necessário se preparar para esse tipo de situação e saber como agir. Sob este aspecto, sabemos que nas redes sociais a comunicação é feita por pessoas de carne e osso que agem com espontaneidade e informalidade, porém, cabe à empresa orientar seus colaboradores quanto à postura que devem adotar enquanto estiverem se comunicando em seu nome.
A área de Marketing deve orientar os envolvidos a respeito de como devem responder críticas negativas ou a linha de linguagem mais adequada ao seu perfil e imagem corporativa. Deve também orientar os seus colaboradores sobre o que pode ser postado, por exemplo, manter direitos autorais citando a fonte dos materiais publicados ou não publicar de forma alguma conteúdos confidenciais e não autorizados.
Embora as redes sociais sejam coletivas e colaborativas é preciso determinar os responsáveis pela identificação de materiais a serem postados, periodicidade de postagem e quem respondem aos contatos. Muitas empresas designam estagiários ou pessoas sem experiência para esta função, o que pode ser um erro. A comunicação na prática envolve a imagem da empresa no mercado e o ideal é que tudo seja acompanhado por uma pessoa estratégica.
Analisados todos estes aspectos é hora de definir quais redes serão utilizadas. Existe uma infinidade de redes sociais e a empresa deve escolher a que mais se aproxima da linguagem e comportamento do seu público alvo. Algumas empresas do segmento de serviços B2B já construíram as suas próprias redes, porém esta é uma opção que envolve mais esforço e um certo grau de investimento.

Embora existam muitas redes sociais disponíveis, as mais comuns e nas quais as empresas acabam se engajando com mais efetividade são o Twitter, Facebook e Linkedin. Com relação ao Twitter, especificamente, existem diversas ferramentas de monitoramento e acompanhamento, tais como: TweetCube, TweetGraph, IUPOme, TwitterTools e o Twitter Updater .
Com os aplicativos de monitoramento é possível criar métricas para acompanhamento e ajustar ou mudar o caminho de acordo com os resultados.

Dominando o Twitter no mundo corporativo

Twitter dicas

Twitter dicas

O Twitter é uma ferramenta muito utilizada pelo mercado, tanto pelas empresas B2C quanto pelas B2B.

Por Priscila Soares Falchi

Para muitos o Twitter é um microblog, por compartilhar conteúdo. Outros o classificam como rede social por permitir interação entre os seus usuários.
De ambas as formas as empresas usufruem os benefícios do Twitter como um canal de comunicação e rede de relacionamento.
À medida que o Twitter vai ganhando espaço no mundo corporativo, aumenta-se a necessidade de monitorar tudo o que acontece nele.
Saber o que se fala sobre a marca, falar diretamente com o seu público, medir a visibilidade da empresa são alguns pontos importantes e ao mesmo tempo complicados para as empresas acompanharem.
Felizmente, alguns aplicativos permitem acompanhar tudo o que acontece no Twitter.

Como exemplo, cito algumas ferramentas úteis para monitoramento:

TweetCube:

Ferramenta que possibilita compartilhamento de arquivos em diversos formatos (.rar, MP3, PDF, etc).

TweetGraph:

Mostra gráficos com dados de como você usa o TT.

IUPOme:

Ferramenta parecida com o Analytcs só para Twitter, que serva para acompanhar e consultar URL.

TwitterCounter:

Cria gráficos com o número diário de twittes e analisa a quantidade de seguidores.

TwitterTools:

Plugin de integração do WP ao TT

Twitter Updater:

Plugin que manda nova mensagem para o II a cada no post no WordPress.

FollowerWonk:

Permite realizar pesquisas diretamente na Bio dos usuários do Twitter.

RetweetRank:

Mede a popularidade dos retwittes e mede o índice de influência.

Friend or Follow:

Mostra quem você segue e não lhe segue de volta, assim como, os que o seguem e que você não está seguindo.

Tweetcloud:

Permite encontrar usuários de acordo com seus twittes procurados por palavra-chave.

Twitterfeed:

Avisa por e-mail cada post que você posta, por login direto da conta OpenID, mandando link do RSS.

Com os aplicativos de monitoramento é possível criar métricas para acompanhar e ajustar  o caminho a seguir, de acordo com os resultados.

Existem ainda muitos aplicativos úteis para facilitar o gerenciamento da empresa no Twitter. Se você conhece outras, esteja à vontade para postar e compartilhar conhecimento.

As mídias sociais e as empresas de serviços B2B

Por Priscila Soares Falchi

Marketing de serviços

Marketing de serviços

As mídias sociais estão atualmente entre os tópicos mais discutidos entre os profissionais de marketing das empresas B2C.Estes profissionais já perceberam há muito tempo que esta forma de comunicação e o relacionamento direto com seus os consumidores finais permitem às empresas de bens de consumo entenderem e atenderem melhor a necessidade do mercado.
As empresas B2B, no entanto, demoraram um pouco para compreender as oportunidades oferecidas pelas mídias sociais.

Há poucos anos era inimaginável para muitos empresários B2B a possibilidade de que estratégias em mídias sociais surtissem qualquer resultado ou que houvesse alguma sinergia com o seu tipo de negócio. Tinha-se em mente que o perfil corporativo não se encaixava com esta forma de comunicação. Ler mais

Redes sociais: oportunidade para empresas de serviços B2B

Por Priscila Soares Falchi

Houve um tempo em que as redes sociais eram vistas pelas empresas B2B como algo sem importância ou aderência ao seu perfil corporativo. Empresários veteranos do setor de business to business, especialmente de serviços, não acreditavam que esta forma de comunicação pudesse ter qualquer sinergia com o seu target e ramo de atividade.

Nos dias de hoje, felizmente, notamos que essa realidade está mudando rapidamente. A exemplo das companhias B2C, que sempre utilizaram com sucesso as redes sociais como meio de comunicação e divulgação de produtos, diversas empresas de serviços corporativos também passaram a introduzir ações em redes sociais às suas estratégias de marketing. Ler mais